Fiscus judaicus

Fiscus Iudaicus ( Latin : “Jewish Tax”) ou Fiscus Judaicus foi uma agência de cobrança de impostos instituída para cobrar o Imposto imposto aos judeus no Império Romano após a destruição de Jerusalém e seu Templo em 70 DC . Os resultados foram direcionados para o Templo de Júpiter Optimus Maximus em Roma .

Fontes contemporâneas

O conhecimento moderno de Fiscus Judaicus é em quatro fontes principais: 2

  • Um pequeno número das receitas fiscais do Egito romano
  • Uma passagem da Guerra dos Judeus
  • Uma passagem de The Twelve Césares
  • Uma passagem da história romana de Dion Cassius

Imposição

O imposto foi originalmente imposta pelo imperador romano Vespasiano como uma das medidas contra os judeus como um resultado da primeira guerra judaico-romana dos anos 66 – 73 AD . Vespasiano impôs o imposto na sequência da revolta judaica (Josephus BJ 7. 218, Dio Cassius 66.7.2). O imposto foi imposto a todos os judeus em todo o império, não apenas naqueles que participaram da revolta contra Roma. O imposto foi imposto após a destruição do Segundo Templo no ano 70 em vez da taxa (ou Diezmo) para pagar pelos judeus para a manutenção do templo. A quantidade coletada foi de dois denários , equivalente a meio siclo que os judeus observadores já pagaram pela manutenção do Templo em Jerusalém (Êxodo 30:13). O imposto foi direcionado, pelo contrário, para o Templo de Capitolina Júpiter , o principal centro da antiga religião romana . O fiscal Iudaicus foi uma humilhação para os judeus. 3 Em Roma, um promotor especial, conhecido como procurador ad capitularia Iudaeorum, foi responsável pela cobrança do imposto. 4Somente aqueles que abandonaram o judaísmo estavam isentos de pagar.

Enquanto o imposto pago pelo Templo de Jerusalém era pago apenas por homens adultos entre 20 e 50 anos, o imposto Iudaicus foi imposto a todos os judeus, incluindo mulheres, crianças e idosos 5 – e até mesmo escravos judeus. 6 No Egito , as provas documentais (sob a forma de recibos) confirmam o pagamento do imposto por mulheres e crianças. A pessoa mais antiga conhecida desses recibos que teve que pagar o imposto Iudaicus era uma mulher de 61 anos, que levou Sherman LeRoy Wallace a especular que o imposto só era aplicado aos 62 anos, que era o Contribuição urbana regular e regular paga por pessoas em todo o Império. 7

O imposto continuou, mesmo após a conclusão da reconstrução do Templo Capitolino para sua manutenção.

Domitian

Domitian , que governou entre 81 e 96 dC , expandiu o fiscal Iudaicus para incluir não apenas judeus nascidos e convertidos ao judaísmo , mas também aqueles que dissimularam o fato de serem judeus ou observar costumes judaicos. Suetonio relata que, quando ele era jovem, um velho de 90 foi examinado para ver se ele era circuncidado , o que mostra que durante esse período o imposto era mesmo exigido para pessoas com mais de 62 anos de idade. 4 Louis Feldman argumenta que o aumento da dureza foi causado pelo sucesso do proselitismo judeu (e possivelmente cristão ). 8

Domiciano aplicou o imposto, mesmo para aqueles que simplesmente “viveram como judeus” :

XII: “Além de outros impostos, que nos judeus [um imposto de dois dracmas por cabeça, impostos por Vespasiano, ver Josefo, Bell. Jud. 7.218] foram exigidos com o maior rigor e aqueles que foram perseguidos que, sem reconhecer publicamente que a fé, eles ainda viveram como judeus, bem como aqueles que dissimularam sua origem e não pagaram o tributo exigido em seu povo [Estes podem ter sido cristãos, que os romanos geralmente assumiram como judeus.] Lembro-me de estar presente na minha juventude quando a pessoa de um homem de noventa anos de idade foi examinado antes de o promotor e quadra muito lotado, para ver se ele foi circuncidado. ” c 90. 9

A sentença de Domitian abriu a porta para a possibilidade de chantagem em Roma e em toda a Itália . Os encargos de seguir o judaísmo eram fáceis de fazer, mas difíceis de refutar, especialmente porque as práticas de algumas seções filosóficas se assemelhavam a alguns costumes judaicos. Como resultado, muitas pessoas optaram por se instalar com os acusadores fora dos tribunais em vez de arriscar a incerteza das audiências judiciais, encorajando efetivamente os chantagistas. 10 Tito Flavio Clemente foi condenado à morte por “viver uma vida judaica” ou “inclinar-se sobre costumes judaicos” no ano AD 95 , que pode ter sido relacionada com a administraçãoFiscus Judaicus sob Domitian. 11

Cisma entre judaísmo e cristianismo

O imposto Iudaicus foi originalmente imposto aos judeus. No momento em que nem os romanos nem, provavelmente, os primeiros cristãos consideravam o cristianismo como uma religião separada do judaísmo. Em qualquer caso, eles se considerariam uma seita no judaísmo, que os historiadores chamam de cristianismo judaico . No entanto, se essa era a intenção ou não, não demorou muito para que os cristãos pedissem ao Imperador que reconhecesse os cristãos com o propósito de pagar o fiscal Iudaicus . citação necessária ] À medida que o imposto apenas se aplicava aos judeus praticantes, se pudessem ser reconhecidos como uma religião separada, eles escapariam do imposto.

Após o assassinato de Domiciano em 96 aC , Nerva relaxou as regras de coleta, limitando o imposto a quem pratica abertamente o judaísmo. 12 Com esta medida, os cristãos (e talvez judeus cristãos ) escaparam do imposto, mas não foram reconhecidos oficialmente como uma religião legal até o Edito de Milão . As moedas de Nerva suportam a legenda fisci Iudaici slander sublata 13 “abolição da perseguição maliciosa em relação ao imposto judaico”, 14 em referência à sua reforma das duras políticas de Domitian 15

Abolição

Não está claro quando exatamente o Fiscus Iudaicus foi abolido. A evidência documental confirma a cobrança do imposto em meados do segundo século, e as fontes literárias indicam que o imposto ainda existia no início do século III. Não se sabe quando o imposto foi formalmente abolido. Alguns historiadores atribuem ao imperador Juliano o apóstata com sua abolição em cerca de 361 ou 362 . 16

Renaissance medieval

O imposto foi restaurado na Idade Média em 1342 sob o nome de Opferpfennig pelo imperador romano santo . O imposto Opferpfennig (originalmente Guldenpfennig) foi introduzido em 1342 pelo Imperador Ludwig IV da Baviera, que ordenou a todos os judeus com mais de 12 anos de idade e que possui 20 gulden, pague 1 gulden por ano para proteção. A prática foi justificada com o argumento de que o imperador, como sucessor legal dos imperadores romanos, era o destinatário legítimo do imposto do templo , o que os judeus pagavam aos romanos depois da destruição do Segundo Templo.. O Opferpfennig foi criado no dia de Natal .

O imperador Carlos IV ordenou posteriormente a entrada do imposto Opferpfennig para ser entregue ao arcebispo de Triers . Este imposto foi em alguns lugares substituído por um imposto comunitário em geral. 17

Notas

  1. Voltar ao topo↑ De acordo com a tradução de Molly Whittaker, judeus e cristãos: Graeco-Roman Views , ( Cambridge University Press , 1984), p. 105
  2. Voltar ao topo↑ Fiscus Judaicus e Separação de Estradas, comentado por Shaye JD Cohen, 10/10/2012 (Inglês)
  3. Voltar ao topo↑ Enciclopédia judaica: Fiscus Judaicus : “Esta foi uma afronta ao sentimento religioso judaico”.
  4. ↑ Ir para:c “Fiscus Judaicus”, Enciclopédia Judaica
  5. Voltar ao topo↑ Schäfer (1998), pp. 113-114
  6. Voltar ao topo↑ Heemstra, p. 14
  7. Voltar ao topo↑ Heemstra, p. 14 (nota n. ° 30)
  8. Voltar ao topo↑ Feldman (1993), p. 100
  9. Voltar ao topo↑ Enciclopédia judaica: Fiscus Iudaicus , Domiciano de Suetonius
  10. Voltar ao topo↑ Rodin (1915), p. 333
  11. Voltar ao topo↑ Cassius Dio 67.14.1-2, 68.1.2; História do povo judeu , editor HH Ben-Sasson, página 322: “… Domitian ordenou a execução de Flavius ​​Clemente … para tendências judaizantes …”
  12. Voltar ao topo↑ Edwards (1996), p. 69
  13. Voltar ao topo↑ “Fiscus Judaicus”, Enciclopédia Judaica ; Rodin (1915), p. 334
  14. Voltar ao topo↑ Traduzido por Molly Whittaker, judeus e cristãos: visão greco-romana , (Cambridge University Press, 1984), p. 105
  15. Voltar ao topo↑ Martin Goodman , “Nerva, o Fiscus Judaicus e Identidade judaica”, Journal of Roman Studies 79 (1989) 40-44.
  16. Voltar ao topo↑ [1]
  17. Voltar ao topo↑ OPFERPFENNIG. Enciclopédia Judaica . 2008

Referências

  • Edwards, Douglas R. (1996). Religião e poder: pagãos, judeus e cristãos no leste grego . Oxford University Press . ISBN 0-19-508263-X
  • Feldman, Louis H. (1993). Judeus e gentios no mundo antigo: as atitudes e as interações de Alexandre a Justiniano . Princeton University Press . ISBN 0-691-07416-X
  • Radin, Max (1915). Os judeus entre os gregos e os romanos . Filadélfia: sociedade de publicação judaica da América
  • Schäfer, Peter (1998). Judeofobia: atitudes em relação aos judeus no mundo antigo . Harvard University Press . ISBN 0-674-48778-8
  • Stern, Menachem (1997). “Fiscus Judaicus”. Enciclopédia judaica (edição de CD-ROM versão 1.0). Ed. Cecil Roth . Keter Publishing House. ISBN 965-07-0665-8
  • O’Quin, Chris (2009). ” O Fiscus Judaicus “.
  • Heemstra, Marius (2010). ” [2] “. O Fiscus Judaico e a Separação das Estradas . Tübingen: Mohr Siebeck. ISBN 978-3-16-150383-2

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *