Missão Jovem

- Fazer a diferença é tudo!

 RSS

Sexta, 24 de Outubro de 2014

Navegação

 

Anônimo

Pastor a masturbação é pecado ?
E quando à praticamos sem
pensamentos ilicitos, ou seja,sem estar pensando em sexo ela pode ser realizada ?
Pois à mastubação tambem serve para aprender a segurar o orgasmo e assim sastifazer melhor o conjugue, não é verdade !?
O q o senhor mim diz sobre isso ?
Que Deus te abençoe !!!

Que a Paz de Cristo esteja com você!



Abaixo segue um importante artigo correspondente a sua dúvida que foi extraído de uma resposta do Pr. Michelson Borges.



O Conselho de Informação Sexual e Educacional dos EUA, numa das suas revistas (The Siecus Study Guide), dedicada à masturbação, transcreve o pensamento da maior parte dos especialistas em educação sexual. Neste documento a masturbação é colocada ao mesmo nível de qualquer outra manifestação de profundos problemas psicológicos, podendo ser na adolescência um dos sintomas de conflito existentes nesse período de vida.

Embora em nossa sociedade licenciosa haja quem defenda esse hábito, muitos estudiosos e educadores estão de acordo que a masturbação é nociva, física e, principalmente, mental e espiritualmente.

"Aborrecimento, frustração, solidão, uma imagem pouco elevada de si próprio, dificuldade de relacionamento com o outro sexo, conflitos com os pais." Tudo isso pode levar o adolescente a encontrar certa realização na masturbação. Em tais casos não é a masturbação que necessita ser tratada, mas a solução do conflito poderá antes estar num conselho ou mesmo na psicoterapia. Nunca os pais deveriam procurar resolver esse problema usando métodos tradicionais, que alguns persistem em aplicar, de punição verbal ou física. As doenças físicas não se tratam com esse tipo de castigo, muito menos as de ordem psicológica ou moral.

O vício da masturbação é tão persistente que muitos adolescentes entram para a vida adulta e (mesmo depois de casados) acabam persistindo no erro.

Há algumas maneiras de se evitar a masturbação:

Evite leituras, filmes ou situações que sugiram pensamentos impuros ou eróticos; use vestuário saudável e sem compressão de qualquer parte do corpo, em especial dos órgãos sexuais; procure tomar banho diariamente, mantendo os órgãos sexuais sempre limpos. No namoro, cuidado especial com as carícias; mantenham a pureza e não façam nada que também conduza a pensamentos impuros ou a atitudes condizentes com a vida matrimonial. Esperem o momento certo (casamento) para liberar essas "energias contidas".

"Excitantes histórias de amor, fotografias impuras têm uma influência corruptora... fotografias de mulheres nuas circulam freqüentemente para venda. ... O coração é corrompido através da imaginação. ... Evitai leituras e a contemplação de coisas que sugiram pensamentos impuros" (Ellen G. White, Testimonies, vol. 2, pág. 410).

Hábitos de vida saudável, como alimentação natural e caminhadas ao ar livre, também ajudam muito. O jovem tem muita energia e disposição, por isso precisa empregá-la em atividades saudáveis e que tragam bem-estar.

Agora, como qualquer tipo de pecado ou vício, a masturbação deve ser tratada com seriedade e o problema ser alvo de oração, em busca do poder de Cristo para vencer. Lembre-se que uma ação constantemente repetida forma hábitos, e os hábitos formam o caráter. O mal começa na mente, por isso, como bem frisou Ellen White, é preciso proteger a cidadela da mente contra as más influências.

O capítulo 10, do livro Consultório Psicológico (Casa), traz alguns esclarecimentos a respeito do assunto. Aqui transcrevo apenas uma parte (vale a pena ler o livro):

“A masturbação tem algumas influências prejudiciais em potencial. Ela pode causar culpa intensa. Pode aumentar o egoísmo pois a pessoa pode contentar-se em ter prazer sozinha. Pode baixar a auto-estima, levando à depreciação própria, ao desânimo e à depressão. Pode produzir mais tensão quando a pessoa já está tensa.

“O que pode ajudar a lidar com a compulsão de masturbar-se:



1. Verificar se há problemas físicos como irritações na pele ou infecções.

2. Evitar concentrar-se em fantasias eróticas ou sexuais, evitando ler, ver e ouvir aquilo que produz maus pensamentos.

3. Auto-analisar-se em busca de compreender se não está havendo solidão, tédio, tensão crônica no lar, excessiva pressão escolar, ao invés de concentrar-se na própria masturbação em si, querendo resolver a sua prática habitual sem avaliar as questões que estão envolvidas com ela.

4. Não supervalorizar a masturbação que ocorre esporadicamente como se fosse um pecado terrível. É um pecado que Deus perdoa, se você deseja perdão.

5. Os pais devem avaliar se não estão exercendo excessiva crítica sobre o filho, o que pode ocorrer por causa de seus próprios hábitos de masturbação do passado. Um pai ou mãe que se masturbou excessivamente e que não resolveu a culpa ainda, pode punir exageradamente o filho, como se fazendo assim expiassem a própria culpa.

6. Os pais devem explicar para os filhos o que é a sexualidade humana, o que é excitação, o que é masturbação, entre outras questões da sexualidade humana.

7. Os pais precisam criar um relacionamento com os filhos que os encorajem a falar abertamente sobre esses assuntos.

8. Avalie a sensibilidade da criança diante da presença de outras pessoas quando você for falar. Lembre-se: crianças de uma mesma família têm sensibilidades diferentes. O mais importante não se relaciona tanto com as palavras que você dirá, mas quão confortável e descontraído se sente ao falar com o filho sobre o assunto.

9. Jovens e adultos devem procurar envolver-se mais com as pessoas e descobrir a satisfação que existe no contato social e de amizades sem envolvimentos sexuais.

10. Peça ajuda a Deus, orando sobre o assunto. Seja franco com Ele, usando palavras diretas, sinceras, objetivas, pedindo Sua graça para vencer.”



Que Deus possa abençoar você a fazer o que é certo, puro e bom perante o Senhor!



Respondido por: Ministério Pessoal - MJ


 

www.missaojovem.org (2014) - Todos os direitos reservados